Pérolas da Maternidade

 Já dei comigo a pensar ir a uma consulta, ou várias, com um/a Pedopsiquiatra, e, várias vezes. A semana passada foi má, muito má, talvez péssima. Como violência gera violênica, pelo menos assim o penso, opto por falar, pregar sermões, muitas vezes às paredes, e dou por mim a encarnar o papel de muitos políticos, falam, falam, prometem, prometem, e depois, desistem de tudo o que prometeram e nada fazem. Por isso continuo a achar que o país era melhor governado por mulheres, pois, entre mudas de fraldas e biberões, conseguiam discursos mais sábios em plenário. Mas, deixemos isso para outro dia. Semana terrível. Limites da minha paciência levados à exaustão. Sem reacção, sem capacidade de resposta. 2 crianças de meio palmo deixaram-me de rastos. Noites que acabaram com choros a 3 e muitos pedidos de desculpas. 3 anos. 3 anos e quase meio, é assim que funciona? É a fase dos testes? Pois bem, nessa semana ganharam. Fui claramente vencida.

O papel social que me foi atribuído a partir do momento em que se gerou vida é, por vezes, pautado de angústia e medo, lado a lado com alegrias e sorrisos. Sinto que travo a batalha da socialização com dois pequenos seres ávidos de aventuras, de descobrirem quem são, o que são, o que podem fazer. Olho as outras famílias nas ruas. Retratos perfeitos, sorrisos, alegria estampada nos rostos, por vezes birras. Tento, por vezes, adivinhar-lhes os pensamentos quando me veêm, não que me importe muito, mas, tenho curiosidade. Vejo o ar de admiração das pessoas quando me veêm empurrar um carrinho de compras com 2 crianças e compras, quando vou às consultas, quando fico doente, e, vou para as urgências e as levo comigo, quando entramos em lojas, quando vamos à praia, quando vamos ao mercado, quando faço a minha corrida e elas vão comigo, quando vamos a qualquer lado e sabem comportar-se melhor que 1 só criança, quando vamos…sempre, para todo o lado. Observo o ar das pessoas, oiço os comentários: “oh que queridas”; “isso dá trabalho não?”; “se com 1 vejo-me mal nem imagino como é com 2”.

Já tenho as respostas na ponta da língua. Dá trabalho? O normal, nunca tive só 1 não faço ideia como seja, mas já me têm dito que às vezes é pior. Sinto os olhares de admiração, como se estivesse a pintar um quadro perfeito. Perfeito? Abstracto talvez. Cheio de curvas, de incertezas, cores, sabores, alegrias e tristezas. Talvez pensemos o mesmo uns dos outros. Tudo parece fácil visto de fora. Por dentro, talvez, os mesmos sentimentos, as mesmas perguntas, as mesma inquietações. Os filhos, ainda que cada um siga o seu rumo e tenha vontade própria, são um pouco uma extensão de nós, e, reflectem sempre um pouco do que somos enquanto pais, aprendem com o que os rodeia. Talvez por isso me pergunte tantas vezes, nos momentos de desespero,  o que me está a escapar e o que me falta fazer.

No entanto, os meus amuos passam depressa e esses momentos também. São vencidos pelos olhares, pelo toque, pelos mimos. Nova semana. Sinto que afinal não custou, já passou, passa sempre. A semana passada não acabou sem registo fotográfico. Fotos a sépia, as primeiras. Gosto da noção de tempo passado que nos transmitem. E, quando as olho, sinto o coração a ficar apertadinho de saudades dos dias que não voltam mais, até dos mais terríveis.

E, hoje, é dia Mundial da Criança, por aqui será das crianças. Assim sendo, vou tomar o meu elixir de energia que o dia promete.

Anúncios

6 thoughts on “Pérolas da Maternidade

  1. Que lindas estão as tuas meninas:)
    Gostei de ler o teu texto, acredito que por vezes seja desesperante lidar com certos pormenores da maternidade, mas também acho, e quando te leio comprova-se, que as alegrias dos restantes chegam e sobram para os superar.
    Duas princesas a sépia 🙂
    Espero que o dia tenha sido fantástico!
    Beijinhos e bom fim de semana 🙂

  2. Ola Lilly,
    Estou solidaria contigo, pois aqui em casa vivemos a mesma fase. A fase dos porques, explorada ate a exaustao, os limites tambem testados ate ao … limite. Esta fase do contra faz parte do desenvolvimento normal das criancas. E nao vem so aos tres anos!! Voltara aos 6 e voltara novamente, com toda a forca, na adolescencia.
    Eu, pessoalmente, umas vezes deixo a minha filha ganhar, outras vezes vou eu ate ao limite, ate a exaustao desta teimosia exponenciada pelos tres anos.

    Mas deixa-me contar-te um episodio tao engracado: era hora de dormir e – abrindo um curto parentesis: eu, a partir das 8 da noite, entro em curto circuito. Ja nao consigo ouvir as suas vozinhas doces nem ver as suas caras fofinhas – a minha filha perguntou-me “puque”??. Eu disse-lhe: “ai amor, ja nao consigo ouvir mais nenhum porque hoje!…”, E da sua voz doce iam saindo um porque, que se ficou pelo “po…”, seguido de um gesto de quem deita fora o resto da palavra. Sera excusado dizer-te que acabou tudo na risota, e quanto mais eu ria, mais ela fazia o teatro de deitar fora o porque…

    Forca para a fase do porque, do contra e do armario – sim, os tres anos tb sao do armario!!!!
    Sofia
    PS: tenho a certeza q n precisas de um pedopsiquiatra. Precisarias, sim, se elas nao estivessem a passar por esta fase!! 😉

    • Fico mais descansada de saber que não estou sozinha neste barco. Isto não tem sido fácil, sinto que estão a fazer o que querem de mim e eu sinto-me sem capacidade de resposta. Credo… venha logo a adolescência que peço aos namorados para as aturarem 🙂

  3. Ahh… que alívio ver que afinal não estou sozinha… e sim, eu já sabia, mas ainda assim…
    Realmente acho que esta fase dos 3 anos é deveras complicada, em especial com o meu peste que tem pilhas duracel e tendo em conta que viu o seu estatuto de filho único ser alterado para passar a ser o mano mais velho.
    E confesso que só de pensar que ainda tenho mais outra fase destas – em dobro – à minha espera quase me dá o fanico (é mesmo esta a palavra).
    Mas há que ter força, não é?
    Um enorme beijinho e muito obrigada pelas palavras de carinho e pela referência a este post fabuloso que serve e muito de consolo para mães como nós 😉

Sempre que Apetecer, Sem Compromissos. Até já.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s